Dia Nacional do Enfermo (14 de janeiro)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/3572

Próxima Celebração "Dia Nacional do Enfermo": Domingo, 14 de Janeiro de 2018, : daqui 145 dias, 20:20:59-03:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 4 minutos.

O Dia Nacional do Enfermo em 14 de janeiro de cada ano, é mais uma comemoração de brasileiros não confirmada, que também aparece listada em vários calendários de dias festivos no Brasil, ainda como "Dia Nacional do Enfermo", para o dia 14 de julho de cada ano.

Porque não tenho qualquer explicação ou porquê a justificar essa data comemorativa, começo por citar uma frase encontrada numa das minhas pesquisas sobre esse dia festivo, relativa a enfermos/hospitais que aparece atribuída ao psiquiatra e escritor brasileiro, José Ângelo Gaiarsa "[...] Não há nada que se parece mais com um necrotério que um hospital. No lugar do mundo onde mais seria necessário muito amor e muito carinho há uma brancura, uma frieza, um cheiro de remédio que é feito para matar as pessoas, não para faze-las viver [...]", cujo trecho do livro "Amores Possíveis" serve para exemplificar como, frequentemente, o ambiente de um hospital é visto como frio e impessoal, as práticas de saúde como tecnicistas e mercadológicas e o relacionamento entre profissionais de saúde e pacientes como mecânico, distante ou inexistente.

Claro que, se existisse na prática, essa data celebativa também poderia servir para lembrar às pessoas, como a prevenção de doenças é importante. Realizar exames periódicos, começar um tratamentos na fase inicial de qualquer problema de saúde e dar mais atenção ao organismo, seria o ideal, na visão de praticamente todo e qualquer médico, para se evitar o aparecimento ou agravamento de doenças.

Segundo uma das melhores observações que li sobre uma data comemorativa como tamanha importância, como é o caso dessa, caso existisse de fato, ela poderia trazer um alerta aos Governos e a todos os profissionais de saúde ligados ao paciente, tanto os que lidam com ele diretamente, quanto aqueles envolvidos na administração e gestão dos serviços de saúde, para que se possa refletir nos sentido de se empenhar e se tratar nossos doentes (e seus familiares e amigos) de modo mais sensível, solícito, paciente, amoroso, carinhoso, afetuoso, humanizado e individualizado, com o objetivo final de acelerar a recuperação, sempre que possível, ou mesmo diminuir o sofrimento, quando esta é a única alternativa, independentemente de o caso ser de cuidados paliativos, de convalescença, de tratamentos eletivos ou de situações claramente transitórias, pois a atenção ao enfermo deve compreender as diversas dimensões humanas: biológica, psicológica, social, cultural, moral, espiritual e religiosa. Assim, ainda que pareça óbvio, quando um ser humano adoece, continua sendo uma pessoa, com história de vida pregressa, vontades e expectativas, e não um simples número de prontuário, um “sujeito ou objeto de estudo” ou um mero caso clínico interessante.

Ainda mais ou menos nessa linha, mas, adotando um tom mais comercial, o blog da CEAGESPF [Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo], o maior mercado atacadista do Brasil diz que, "cuidar de um enfermo é um trabalho de rotina, e isso pode fazer com que o tratamento aos pacientes se torne seco e robótico, sem demonstrar algum tipo de sentimento pela pessoa doente. Segundo o texto, o que pode ser feito para suavizar o sofrimento do enfermo, é ter uma relação mais humanizada. Conversar, levar presentes ou preparar uma refeição com carinho são alguns exemplos que demonstram à pessoa que você se importa com ela, afirmando ainda, que, de acordo com recomendações ANVISA [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] no Brasil, que até cuidou de criar um "manual de controle e prevenção hospitalar", orientando para não se entregar esse tipo de presentes, é prática comum nessas situações, a entrega de flores, por exemplo, como forma de animar o paciente, com a ressalva de que, trazer plantas para dentro do ambiente onde o enfermo esteja, pode terminar por levar o doente a ter infecções, alergias ou até atrair insetos, pelo cheiro natural da planta. Contudo, continua o blog da CEAGESPF, ao melhorar a saúde, a pessoa pode receber flores para comemorar sua recuperação.

Nesse ponto, ainda segundo o blog da CEAGESPF, algumas espécies de pequeno porte são boas para isso. É o caso da calanchoê, que não possui perfume forte, tem flores pequenas e delicadas, e pode ser encontrada em muitas cores distintas. A violeta-africana, também é uma boa escolha. Ela possui características semelhantes à calanchoê, mas com folhas robustas. Uma boa vantagem da violeta para essas ocasiões, é caber em áreas pequenas, o que possibilita o presenteado deixá-la no quarto, decorando o ambiente sem ocupar um grande espaço.
Presentear com orquídeas é mais uma boa opção. Muitas espécies desta planta possuem um aspecto exuberante e colorido, que pode agradar bem. Um grande atrativo dessa planta, é que essa flor não exala um perfume muito forte, (salvo alguns tipos, como a Sharry baby, que tem perfume de chocolate), o que faz com que ela possa ser uma ótima escolha, caso o presenteado tenha algum tipo de alergia a cheiros fortes.

Felizmente, e independentemente do credo adotado pela consciência de cada leitor, no dia 11 de fevereiro de cada ano, temos o "Dia Mundial do Enfermo" ou "World Day of the Sick", uma comemoração internacional da Igreja Católica Apostólica Romana desde 1993, que foi instituída em 13 de maio de 1992 pelo Papa João Paulo II, 1 ano depois de ele haver sido diagnosticado com a doença de Parkinson, cujo diagnóstico só mais tarde foi revelado ao público, para marcar a data em que os Católicos comemoram a data do início das Aparições de Nossa Senhora de Lourdes, que perfizeram um total de 18 visões da Virgem Maria, e que foram testemunhadas entre os dias 11 de fevereiro e 16 de julho de 1858 pela camponesa francesa, Bernadete Soubirous [Marie-Bernard Soubirous], então com 14 anos de idade, nas proximidades da cidade francesa de Lorda ou Lourde, e que em 1862, terminaram por ser oficialmente aceitas como Aparições Marianas pela Igreja Católica Apostólica Romana, a partir do pontificado do Papa Pio IX.

Fontes consultadas:

  1. odontohospitalar.blogspot.com.br/…
  2. fortuna.jard.com.br/…
  3. cap31.blogspot.com/…
  4. quazeblog.blogspot.com/…
  5. ceagespoficial.blogspot.com.br/…
  6. soergs.org.br/…
  7. www.anatec.org.br/…
  8. www.cuidarecompanhia.com.br/…
  9. www.rofemcorretora.com.br/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/3572

RSS/XML