Dia Nacional do Doente com Acidente Vascular Cerebral ou AVC (31 de março)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/4090

Próxima Celebração "Dia Nacional do Doente com Acidente Vascular Cerebral" ou "AVC": Sábado, 31 de Março de 2018, : daqui 221 dias, 20:31:59-03:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 4 minutos.

O Dia Nacional do Doente com Acidente Vascular Cerebral ou AVC em 31 de março de cada ano, é uma comemoração em Portugal, que foi criada pelo Despacho Ministerial Nº 23910 de 2003 do Ministério Português da Saúde, a partir de sugestão do então Núcleo de Estudos das Doenças Vasculares Cerebrais da Sociedade Portuguesa de Neurologia, mais tarde SPAVC [Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral], com o fim de sensibilizar toda a sociedade portuguesa sobre as medidas que se podem e devem tomar para se evitar essa doença.

Para conhecimento, o AVC, que faz parte das doenças cardiovasculares e se caracteriza por um défice neurológico súbito, motivado por isquemia (deficiência de circulação arterial) ou hemorragia no cérebro, juntamente com o enfarte do miocárdio, continua a ser uma das principais causas de morte em Portugal, mas estas doenças podem ser prevenidas pela adoção de um estilo de vida saudável e vigilância médica regular. As doenças cardiovasculares (cardio = coração; vasculares = vasos sanguíneos) afetam o sistema circulatório, ou seja, o coração e os vasos sanguíneos (artérias, veias e vasos capilares). As doenças cardiovasculares são de vários tipos, sendo as mais preocupantes a doença das artérias coronárias (artérias do coração) e a doença das artérias do cérebro. Quase todas as doenças cardiovasculares são provocadas por aterosclerose, ou seja, pelo depósito de placas de gordura e cálcio no interior das artérias, que dificultam a circulação sanguínea nos órgãos, e que podem mesmo chegar a impedi-la. Quando a aterosclerose aparece nas artérias coronárias, pode causar sintomas e doenças como a angina de peito, ou provocar um enfarte do miocárdio. Quando se desenvolve nas artérias do cérebro, pode originar sintomas como, por exemplo, alterações de memória, tonturas ou ainda, causar um acidente vascular cerebral.

Assim, o controle dos fatores de risco é a melhor forma de se prevenir as doenças cardiovasculares. Como fator de risco se entende, uma condição que aumenta o risco cardiovascular, ou seja, aumenta a probabilidade de se sofrer uma doença cardiovascular. Os fatores de risco podem ser divididos em duas grandes categorias: fatores de risco modificáveis e fatores de risco não modificáveis. Os fatores de risco modificáveis mais comuns são: açúcar elevado no sangue ou diabetes; colesterol elevado ou hipercolesterolemia; trigliceridos elevados ou hipertrigliceridemia; pressão arterial elevada ou hipertensão arterial; excesso de peso e obesidade; hábito de fumar; abuso de bebidas alcoólicas; e pouco exercício físico ou sedentarismo. Já entre os fatores de risco não modificáveis se pode destacar: idade; sexo; e genética, como o histórico familiar de doenças cardiovasculares do paciente.

Desde a década de 1980, que, em Portugal, é reconhecida a elevada taxa de mortalidade associada ao acidente vascular cerebral que, ao nível europeu, e mesmo comparativamente a outros países da Europa Ocidental, se destacava pela negativa. Fruto de algumas campanhas de sensibilização da população, de uma melhor organização dos cuidados de saúde no que diz respeito ao tratamento dos doentes com AVC e também devido à evolução dos próprios tratamentos utilizados nas primeiras horas após o aparecimento dos primeiros sintomas, a partir da década de 1990, tem-se verificado uma redução da incidência dos acidentes vasculares cerebrais. Entre os anos de 1990 e 2000, por exemplo, a incidência de AVC era de 2,8 por 1000 habitantes ao ano. Entre 2000 e 2010, verificou-se uma redução para 2,0 por ano, ou seja, em cada 1000 habitantes, 2 sofrem um AVC.

Apesar da redução da incidência, verificou-se um aumento da prevalência de doentes que sofreram um AVC, uma vez que a taxa de sobreviventes aumentou substancialmente ao longo da última década. O acidente vascular cerebral continua, pois, a ser a principal causa de morte e incapacidade permanente em Portugal. Por hora, cerca de três portugueses são vítimas de um AVC. Destes, um deles não sobrevive e, pelo menos metade, fica com sequelas incapacitantes. Por isso é importante ficar atendo. Prevenir o AVC é o melhor remédio, com um estilo de vida saudável: com exercícios físicos regulares, com uma alimentação equilibrada, pobre em sal, açúcares e gorduras saturadas, com a manutenção de um peso adequado, sem cigarros, com baixo consumo de álcool, com visitas regulares ao médico para verificar pensão arterial, diabetes, colesterol, ritmo cardíaco, a partir da realização de eletrocardiogramas.

É importante frisar que as primeiras três horas após o início dos sintomas de um acidente vascular cerebral são essenciais para o socorro de um doente. a internação precoce dos doentes em unidades especializadas, reduz a morbilidade e a mortalidade a curto e longo prazo. Por isso, reconheça os sintomas do AVC: dificuldade, súbita, em mexer uma perna ou braço ou ambos os membros de um dos lados do corpo; desvio da boca para um dos lados dificuldade súbita em falar; perda súbita de visão; diminuição da sensibilidade ou sensação de amortecimento de uma perna, de um braço ou de ambos os membros de um dos lados do corpo.

O AVC é uma urgência! Assim, se você perceber que um familiar ou amigo está a sofrer sintomas de AVC de forma súbita, como, por exemplo, ficar com a boca para o lado, ter menos força num braço, ter dificuldade em falar ou em ver para um dos lados, deite-o de lado, certificando-se de que respira bem, ligue para a emergência (em Portugal, é o 112) e, calmamente, tente responder às perguntas que lhe forem feitas, indicando a hora exata do início dos sintomas, e procure levantar os dados possíveis sobre a história médica do doente: a presença de outras doenças, os hábitos de tabagismo, álcool e alimentação do paciente, e medicação de uso contínuo, para informar ao pessoal de saúde.

Fontes consultadas:

  1. dre.tretas.org/…
  2. www.sns.gov.pt/…
  3. www.maisalgarve.pt/…
  4. www.chtamegasousa.pt/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/4090

RSS/XML