Dia Nacional de Combate ao Sedentarismo (10 de março)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/3940

Próxima Celebração "Dia Nacional de Combate ao Sedentarismo": Sábado, 10 de Março de 2018, : daqui 257 dias, 01:16:11-03:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 5 minutos.

O Dia Nacional de Combate ao Sedentarismo em 10 de março de cada ano, é uma comemoração extraoficial no Brasil, que aparece listada em vários calendários brasileiros de dias festivos, contando inclusive com ações patrocinadas por alguns órgãos oficiais do Governo, mas que não conta de fato com o aval oficial de qualquer Lei ou norma infralegal, ou ainda com o endosso oficial de qualquer Organização não Governamental no país.

Para conhecimento, sedentarismo é definido como a falta, ausência ou diminuição de atividades físicas ou esportivas. Considerada como a doença do século, está associada ao comportamento cotidiano decorrente dos confortos da vida moderna. Pessoas que tem um gasto calórico reduzido semanalmente pela ausência da prática esportiva são consideradas sedentárias ou com hábitos sedentários. Uma vida sedentária é caracterizada pela ausência de atividades físicas, podendo provocar um processo de regressão funcional, perda de flexibilidade articular, além de comprometer o funcionamento de vários órgãos, distinguindo-se posteriormente, um fenômeno associado à hipotrofia de fibras musculares, além de ser a principal causa do aumento da ocorrência de várias doenças, como a Hipertensão arterial, diabetes, obesidade, aumento do colesterol e infarto do miocárdio, o que traz várias consequências para a saúde. A vida sedentária pode também ser causa direta ou indiretamente de morte súbita. Um estilo de vida ativo e saudável, incluindo a realização de atividades físicas, é a melhor opção para combater este mal.

Infelizmente, um número crescente de países enfrenta um duplo fardo, à medida que aumenta a prevalência de fatores de risco para doenças crônicas, como a diabetes, as doenças cardíacas e o câncer, afirma o relatório Estatísticas Mundiais de Saúde 2011 divulgado em 5 de maio pela OMS [Organização Mundial da Saúde ou WHO [World Health Organization]. Doenças não-transmissíveis como as doenças cardíacas, os derrames, a diabetes e o câncer, agora compõem dois terços de todas as mortes no mundo, devido ao envelhecimento da população e à propagação de fatores de risco associados à globalização e à urbanização. O controle dos fatores de risco como o tabagismo, o sedentarismo, a má alimentação e o uso excessivo de álcool se torna mais crítico. Os números mais recentes da OMS mostram que cerca de quatro em cada dez homens e uma em cada onze mulheres estão usando tabaco e cerca de um em cada oito adultos são obesos.

Ainda segundo a Organização Mundial da Saúde, a falta de atividade física é responsável por 54% do risco de mortes por enfarte, 50% por derrame cerebral e 37% por câncer. De acordo com o IBGE [Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística], a grande maioria dos brasileiros não pratica nenhuma atividade física ou faz pouco exercício. Segundo o Ministério brasileiro da Saúde, de cada 3 pessoas, apenas uma faz atividades físicas, regularmente. E o quadro Outro Olhar mostra a importância do combate ao sedentarismo logo na infância.

Na Europa, a ciência não encontrou resultados diferentes: a falta de exercícios mata duas vezes mais do que a obesidade, revelaram pesquisadores da Universidade de Cambridge. O estudo publicado na revista científica American Journal of Clinical Nutrition mostra que apenas 20 minutos de caminhada acelerada por dia podem reverter esse quadro. A sugestão está alinhada com as recomendações globais da OMS. Quem tem entre 5 e 17 anos deve praticar 60 minutos de atividade moderada a intensa por dia. A partir dos 18 anos, a dose semanal é de 150 minutos de aeróbicos de intensidade média (equivalente a pouco mais de 21 minutos por dia) ou 75 minutos de atividade vigorosa ou uma combinação de ambos os estilos.

No Brasil, segundo pesquisa realizada pela agência de inteligência e pesquisa de mercado Hello Research com uma amostra de 1000 pessoas, em 70 cidades espalhadas por todas as regiões brasileiras, 66% das pessoas não praticam exercícios físicos, mesmo que esporadicamente. A faixa etária dos 45 a 59 anos abriga a maior parcela de inativos físicos. Entre os sedentários, as mulheres lideram o ranking com 76% contra 55% dos homens. Além disso, a Organização Mundial da Saúde estima que em 2030 essa inatividade será a causa de 23,3 milhões de mortes no mundo, ainda segundo dados divulgados em 2013. O impacto da inatividade no organismo acarreta doenças, piora a qualidade de vida e causa morte prematura.

Estima-se que uma em cada 10 mortes precoces é atribuída à inatividade física. Segundo pesquisa realizada em 2012 pelo Brigham and Women’s Hospital da cidade norte-americana de Boston-MA e pela Harvard Medical School, que foi publicada na revista “Lancet”, o sedentarismo faz cerca de 5 milhões de vítimas fatais a cada ano no mundo. Com todos esses dados alarmantes – 70% das pessoas do mundo é sedentário e estão sujeitas a desenvolver doenças cardíacas e obesidade –, Há um aumento da preocupação por parte das pessoas em iniciar uma atividade física, ainda que seja na Terceira Idade. Por isso, existem diversas indicações para que os indivíduos sedentários possam adotar uma mudança de hábitos de vida de acordo com as possibilidades ou conveniências de cada um. A prática de atividades físicas, esportivas: caminhar, correr, pedalar, nadar, praticar ginástica, exercícios com pesos e jogar bola são propostas válidas para combate ao sedentarismo e melhorar a qualidade de vida dos seres humanos.

Especialistas alertam que a prática de 30 minutos de atividades físicas, no mínimo, cinco vezes por semana, já traz benefícios ao corpo e ao bom funcionamento do organismo, muito embora o mais recomendado seja de 20 a 30 minutos diários todos os dias da semana, diminuindo em 50% o risco de males ligados ao sedentarismo como o ataque cardíaco, diabetes e obesidade, além de reduzir significativamente a incidência de hipertensão, estresse e depressão. Pode ser uma caminhada em ritmo mais acelerado, corrida no parque ou um passeio de bicicleta. Medidas preventivas são bem-vindas, mas sem radicalismo. Varrer a casa, arrumar o armário, passear com o cachorro e ir andando até à padaria, também contribuem para uma vida ativa. O importante é movimentar-se a fim de promover a saúde, assim como estimular o bem-estar físico e até mesmo mental. Também é recomendada a consulta a um médico e um educador físico para a orientação das melhores atividades físicas, já que não são recomendadas as mesmas atividades para todas as pessoas.

Fontes consultadas:

  1. www.medprevent.com.br/…
  2. vida-estilo.estadao.com.br/…
  3. tvbrasil.ebc.com.br/…
  4. corremulherada.com.br/…
  5. www.ufla.br/…
  6. www.bactive.com.br/…
  7. www.correio24horas.com.br/…
  8. pt.wikipedia.org/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/3940

RSS/XML