Dia Nacional da Economia Solidária (15 de dezembro)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/3477

Próxima Celebração "Dia Nacional da Economia Solidária": Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017, : daqui 115 dias, 20:17:40-03:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 5 minutos.

O Dia Nacional da Economia Solidária em 15 de dezembro de cada ano, é uma comemoração de brasileiros, que foi instituída pelo FBES [Fórum Brasileiro de Economia Solidária], presente atualmente em todos os Estados do Brasil com seus 130 fóruns municipais, e regionais e redes solidárias, envolvendo milhares de empreendimentos econômicos solidários, mais de 500 entidades de assessoria e fomento, 12 governos estadual e 200 municípios com ações de comprometimento de políticas publica para o seguimento da economia solidária, e que conta com o aval do Projeto de Lei Nº 435 de 2013 DO SENADO brasileiro, além de estar oficializada como "Dia Estadual da Economia Solidária" nos Estados Brasileiros do Espírito Santo, Mato Grosso, Rio de Janeiro e São Paulo.

Essa data comemorativa de brasileiros tem por fim, marcar a data do aniversário do nascimento do ativista ambiental, seringueiro e sindicalista brasileiro, Francisco Alves Mendes Filho [mais conhecido como Chico Mendes], que veio ao mundo em 15 de dezembro de 1944, e que foi grande defensor das florestas e Reservas Extrativistas no Brasil, principalmente na Amazônia brasileira, enquanto líder da ecologia, dos povos das florestas, do extrativismo ecologicamente sustentável e da sustentabilidade econômica e solidária brasileira, até ser assassinado em 22 de dezembro de 1988 por fazendeiros latifundiários do estado brasileiro do Acre, pois seu ativismo em favor dos seringueiros da Bacia Amazônica, cuja subsistência dependia da preservação da floresta e das seringueiras nativas, lhe trouxe reconhecimento internacional, ao mesmo tempo em que provocou a ira dos grandes fazendeiros locais.

Para conhecimento, segundo o Projeto de Lei Nº 443 de 2011 da Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo, economia solidária é um jeito diferente de produzir, vender, comprar e trocar o que é preciso para viver. Sem explorar os outros, sem querer levar vantagem, sem destruir o ambiente. Cooperando, fortalecendo o grupo, cada um pensando no bem de todos e no próprio bem. A Economia Solidária se baseia nos princípios da democratização da posse, controle e distribuição dos bens de produção. Propõe a construção de um novo modelo de desenvolvimento econômico e social, que se paute por valores éticos, humanitários e solidários.

A economia solidária vem se apresentando, nos últimos anos, como inovadora alternativa de geração de trabalho e renda e uma resposta a favor da inclusão social. Compreende uma diversidade de práticas econômicas e sociais organizadas sob a forma de cooperativas, associações, clubes de troca, empresas autogestionárias, redes de cooperação, entre outras, que realizam atividades de produção de bens, prestação de serviços, finanças solidárias, trocas, comércio justo e consumo solidário.
Nesse sentido, compreende-se por economia solidária o conjunto de atividades econômicas de produção, distribuição, consumo, poupança e crédito, organizadas sob a forma de autogestão. Considerando essa concepção, a Economia Solidária possui as seguintes características:

  • A) Cooperação: existência de interesses e objetivos comuns, a união dos esforços e capacidades, a propriedade coletiva de bens, a partilha dos resultados e a responsabilidade solidária. Envolve diversos tipos de organização coletiva: empresas autogestionárias ou recuperadas (assumida por trabalhadores); associações comunitárias de produção; redes de produção, comercialização e consumo; grupos informais produtivos de segmentos específicos (mulheres, jovens etc...); clubes de trocas etc... Na maioria dos casos, essas organizações coletivas agregam um conjunto grande de atividades individuais e familiares.
  • B) Autogestão: os/as participantes das organizações exercitam as práticas participativas de autogestão dos processos de trabalho, das definições estratégicas e cotidianas dos empreendimentos, da direção e coordenação das ações nos seus diversos graus e interesses, etc. Os apoios externos, de assistência técnica e gerencial, de capacitação e assessoria, não devem substituir nem impedir o protagonismo dos verdadeiros sujeitos da ação.
  • C) Dimensão Econômica: é uma das bases de motivação da agregação de esforços e recursos pessoais e de outras organizações para produção, beneficiamento, crédito, comercialização e consumo. Envolve o conjunto de elementos de viabilidade econômica, permeados por critérios de eficácia e efetividade, ao lado dos aspectos culturais, ambientais e sociais. e
  • D) Solidariedade: O caráter de solidariedade nos empreendimentos é expresso em diferentes dimensões: na justa distribuição dos resultados alcançados; nas oportunidades que levam ao desenvolvimento de capacidades e da melhoria das condições de vida dos participantes; no compromisso com um meio ambiente saudável; nas relações que se estabelecem com a comunidade local; na participação ativa nos processos de desenvolvimento sustentável de base territorial, regional e nacional; nas relações com os outros movimentos sociais e populares de caráter emancipatório; na preocupação com o bem estar dos trabalhadores e consumidores; e no respeito aos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras.

Considerando essas características, a economia solidária aponta para uma nova lógica de desenvolvimento sustentável com geração de trabalho e distribuição de renda, mediante um crescimento econômico com proteção dos ecossistemas. Seus resultados econômicos, políticos e culturais são compartilhados pelos participantes, sem distinção de gênero, idade e raça. Implica na reversão da lógica capitalista ao se opor à exploração do trabalho e dos recursos naturais, considerando o ser humano na sua integralidade como sujeito e finalidade da atividade econômica.

Enfim, a Economia Solidária reafirma, assim, a emergência de atores sociais, ou seja, a emancipação de trabalhadoras e trabalhadores como sujeitos históricos, que participam de uma forma de organização econômica, caracterizada pela produção, oferta de serviços, comercialização, finança ou consumo, com base na autogestão, na democracia e na cooperação, que se vê materializada em diversas iniciativas coletivas, a exemplo de cooperativas de reciclagem, redes de produção e comercialização e consumo, cooperativas ligadas à agricultura familiar, cooperativas de prestação de serviços, instituições financeiras voltadas ao fortalecimento de empreendimentos populares solidários, entre outras.

De acordo com o SENAES [Sistema de Informações em Economia Solidária], o Brasil possuía entre 2005 e 2007 cerca de 21.859 empreendimentos econômicos solidários, dos quais 50% estavam localizados na região Nordeste. Somente na Bahia existem 1.600 iniciativas dessa natureza, que vêm sendo adotadas como modelo de organização popular em comunidades rurais e urbanas, enquanto estratégia de combate ao desemprego e à precarização do trabalho, incentivando formas coletivas, justas e solidárias de geração de trabalho e renda. Esse modelo faz parte da proposta de construção de outra economia, baseada na justiça social, na participação equitativa, no respeito ao meio ambiente, à diversidade cultural, sexual e étnica.

Fontes consultadas:

  1. www.conslegis.es.gov.br/…
  2. www.al.sp.gov.br/…
  3. alerjln1.alerj.rj.gov.br/…
  4. www.al.mt.gov.br/…
  5. www.al.sp.gov.br/…
  6. www.al.es.gov.br/…
  7. www.cefep.org.br/…
  8. www.senado.leg.br/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/3477

RSS/XML