Dia Mundial do Teatro ou "World Theatre Day" (27 de março)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/4065

Próxima Celebração "Dia Mundial do Teatro" ou "World Theatre Day": Terça-Feira, 27 de Março de 2018, : daqui 332 dias, 06:55:21-03:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 6 minutos.

O Dia Mundial do Teatro ou "World Theatre Day" em 27 de março de cada ano, é uma comemoração internacional, que foi criada em Junho de 1961 na cidade austríaca de Viena durante o 9º congresso Mundial do IIT [Instituto Internacional do Teatro ou "International Theatre Institute"] da UNESCO [Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura ou "United Nations Educational, Scientific and Cultural Organisation"], a partir de uma proposta do escritor, poeta e diretor finlandês de teatro, Arvi Kivimaa, em nome do Centro Finlandês do ITI, e com o apoio dos centros escandinavos, que foi aprovada por aclamação.

Durante esse dia festivo, diversos eventos de teatro nacionais e internacionais são organizados para marcar esta ocasião. Uma das mais importantes delas é a circulação da Mensagem Internacional do Dia Mundial do Teatro ou "World Theatre Day International Message", através da qual, a convite do ITI, uma grande personalidade mundial partilha as suas reflexões sobre o tema do Teatro e uma Cultura de Paz ou "Theatre and a Culture of Peace". A primeira Mensagem Internacional do Dia Mundial do Teatro foi escrita pelo escritor, poeta, cineasta e dramaturgo francês, Jean Cocteau [Maurice Eugène Cocteau], em 1962.

Essa data comemorativa internacional do Instituto Internacional do Teatro tem por fim, marcar a data da abertura das temporadas internacionais no Teatro das Nações da cidade francesa de Paris, que foram iniciadas em 27 de março de 1954, cujo 1º Festival Internacional teve lugar em 1957
pelos Centros do ITI e pela comunidade teatral internacional.

Para conhecimento, teatro, do grego théatron, é uma forma de arte em que um ator ou conjunto de atores, interpreta uma história ou atividades para o público em um determinado lugar. Com o auxílio de dramaturgos ou de situações improvisadas, de diretores e técnicos, o espetáculo tem como objetivo apresentar uma situação e despertar sentimentos no público. Também denomina-se teatro o edifício onde se desenvolve esta forma de arte, podendo também ser local de apresentações para a dança, recitais, etc... Existem várias teorias sobre a origem do teatro. Segundo o autor da História do Teatro ou "History of the Theatre", Oscar G. Brockett, nenhuma delas pode ser comprovada, pois existem poucas evidências e mais especulações. Antropólogos ao final do século XIX e início do século XX, elaboraram a hipótese de que o teatro teria surgido a partir dos rituais primitivos. Outra hipótese, seria o surgimento do teatro a partir da contação de histórias, ou seu desenvolvimento a partir de danças, jogos, imitações. Os rituais na história da humanidade teriam começado por volta de 80.000 anos AC.

O 1º evento com diálogos registrado de que se tem notícias na história da humanidade, teria sido uma apresentação anual de peças sagradas do mito de Osíris e Ísis, por volta de 2500 A.C. no Antigo Egito, que conta a história da morte e ressurreição de Osíris, e a coroação de Horus. A palavra 'teatro' e o conceito de teatro, como algo independente da religião, só surgiria na Grécia de Pisístrato, entre 540 e 527a.C., um tirano ateniense, que estabeleceu uma dinâmica de produção para a tragédia, e que possibilitou o desenvolvimento das especificidades dessa modalidade. As representações mais conhecidas e a 1ª teorização sobre teatro vieram dos antigos gregos, sendo a 1ª obra escrita de que se tem notícia, a "Poética de Aristóteles".

O filósofo grego, Aristóteles, afirma que a tragédia surgiu de improvisações feitas pelos chefes dos ditirambos, um hino cantado e dançado em honra a Dioniso, o deus grego da fertilidade e do vinho. O ditirambo, como descreve Brockett, provavelmente consistia de uma história improvisada, cantada pelo líder do coro, e um refrão tradicional, cantado pelo coro. Este foi transformado em uma "composição literária" pelo poeta líricogrego, de duvidosa existência histórica, Arion, o 1º a registrar ditirambos por escrito, e dar títulos a eles. As formas teatrais orientais foram registradas por volta do ano 1000 AC, com o drama sânscrito do antigo teatro Indu. O que poderíamos considerar como "teatro chinês" também data da mesma época, enquanto as formas teatrais japonesas Kabuki, Nô e Kyogen têm registros apenas no século XVII D.C.

O 1º diretor de coro conhecido de que se tem notícias, foi Tespis, oficialmente convidado pelo tirano ateniense, Pisístrato, para dirigir a procissão de Atenas. Téspis desenvolveu o uso de máscaras para representar pois, em razão do grande número de participantes, era impossível todos escutarem os relatos, mas podiam visualizar o sentimento da cena pelas máscaras. O "coro" era composto pelos narradores da história, rapsodos, que através de representação, canções e danças, relatavam as histórias do personagem. Ele era o intermediário entre o ator e o espectador, e trazia os pensamentos e sentimentos à tona, além de trazer também a conclusão da peça. Podia ainda haver o "Corifeu", um representante do coro, que se comunicava com a plateia. Em uma dessas procissões, Téspis inova ao subir em um "tablado" ou "Thymele" ou altar, para responder ao coro, e assim, tornou-se o 1º respondedor de coro ou "hypócrites", fazendo com que surgissem assim os diálogos.

No Brasil, o teatro surgiu por volta do século XVI, tendo como motivo a propagação da fé religiosa. Dentre uns poucos autores, destacou-se o padre Jesuíta, José de Anchieta, que escreveu alguns autos (antigas composições teatrais) que visavam a catequização dos indígenas, e a integração entre portugueses, índios e espanhóis. Exemplo disso é o "Auto de São Lourenço", escrito em tupi-guarani, português e espanhol. Um hiato de dois séculos separa a atividade teatral jesuítica da continuidade e desenvolvimento do teatro no Brasil, isso porque, durante os séculos XVII e XVIII, o país esteve envolvido com seu processo de colonização, enquanto colônia de Portugal, e em batalhas de defesa do território colonial. Foi a transferência da corte portuguesa para a atual cidade brasileira do Rio de Janeiro-RJ, em 1808, que trouxe inegável progresso para o teatro brasileiro, consolidado pela Independência do Brasil em 1822.

Em seguida, o ator brasileiro, João Caetano, estimulou a formação dos atores de teatro no Brasil, e valorizou o trabalho desses artistas, tendo formado em 1833, uma companhia brasileira. Seu nome está vinculado a dois acontecimentos fundamentais da história da dramaturgia nacional no Brasil: a estreia, em 13 de março de 1838, da peça "Antônio José" ou "O Poeta e a Inquisição", de autoria do médico, professor, diplomata, político, poeta e ensaísta brasileiro, Domingos José Gonçalves de Magalhães, a 1ª tragédia escrita por um brasileiro e então a única de assunto nacional; e, em 4 de outubro de 1838, a estreia da peça "O Juiz de Paz na Roça", de autoria do dramaturgo, diplomata brasileiro, Luís Carlos Martins Pena, chamado na época de o "Molière brasileiro", que abriu o filão da comédia de costumes no Brasil, o gênero mais característico da tradição cênica brasileira.

Os ecos da modernidade chegaram ao teatro brasileiro na obra do escritor, ensaísta e dramaturgo brasileiro, Oswald de Andrade, que foi toda produzida na década de 1930, com destaque para O "Rei da Vela", só encenada na década de 1960 pelo artista brasileiro, José Celso Martinez Corrêa, conhecido como Zé Celso, que Destacou-se como um dos principais diretores, atores, dramaturgos e encenadores do Brasil. É a partir da encenação de "Vestido de Noiva", do escreitor brasileiro, Nélson Rodrigues, que nasceu o moderno teatro brasileiro, não somente do ponto de vista da dramaturgia, mas também da encenação, e em pleno Estado Novo. Surgiram então grupos e companhias estáveis de repertório. Os mais significativos, a partir da década de 1940, foram: Os Comediantes, o TBC [Teatro Brasileiro de Comédia], o Teatro Oficina, o Teatro de Arena, o Teatro dos Sete, a Companhia Celi-Autran-Carrero, entre outros.

Finalmente, quando tudo parecia ir bem com o teatro brasileiro, a ditadura militar de 1964 no Brasil veio impor a censura prévia a autores e encenadores, levando o teatro a um retrocesso produtivo, mas não criativo. Prova disso é que nunca houve tantos dramaturgos brasileiro atuando simultaneamente no `país. Com o fim do regime militar, no início da década de 1980, o teatro tentou recobrar seus rumos e estabelecer novas diretrizes. Surgiram então grupos e movimentos de estímulo a uma nova dramaturgia no Brasil.

Fontes consultadas:

  1. en.wikipedia.org/…
  2. jambo.com.br/…
  3. pt.wikipedia.org/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/4065

RSS/XML