Dia Mundial de Combate à Psoríase ou "World Psoriasis Day" (29 de outubro)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/1377

Próxima Celebração "Dia Mundial de Combate à Psoríase" ou "World Psoriasis Day": Domingo, 29 de Outubro de 2017, : daqui 34 dias, 03:56:33-03:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 7 minutos.

O Dia Mundial de Combate à Psoríase ou "World Psoriasis Day" em 29 de outubro de cada ano, é uma comemoração internacional, que foi lançada em 2004 por membros e não-membros de associações de psoríase em todo o mundo, e que desde então tem sido promovida pela IFPA [Federação Internacional de Associações de Psoríase ou "International Federation of Psoriasis Associations"], uma organização internacional formada por organizações de psoríase de países ao redor do mundo.

Essa data comemorativa mundial está oficializada no Brasil como "Dia Nacional de Combate à Psoríase", em El Salvador como "Dia Nacional das Pessoas com Psoríasi" ou "Día Nacional de las Personas con Psoriasis" e nos Estados brasileiros do Pernambuco e Rio Grande do Sul como "Dia Estadual de Combate à Psoríase", além de contar com a "Semana de conscientização e apoio às pessoas com psoríase" dos Sul-rio-grandenses, realizada entre 23 de outubro e 29 de outubro de cada ano.

A data celebrativa internacional tem por fim, conscientizar sobre essa doença inflamatória de pele, hereditária, incurável e não contagiosa, que, pelo aspecto das lesões e a falta de informações, pode provocar muita discriminação" na vida social e profissional dos cerca de 120 milhões de pacientes atingidos em nível mundial pela Psoríase [também conhecida como artrite psoriática], até mesmo durante a utilização de espaços públicos.

Para conhecimento, a psoríase é uma doença inflamatória da pele, crônica, não contagiosa, multigênica [póde envolver vários genes], com incidência genética em cerca de 30% dos casos. Pode ser desencadeada por estresse, traumas físicos ou psíquicos, e pode estar associada a outras doenças sistêmicas, como o hipo-tireoidismo. Pode ainda estar correlacionada com agravamento de depressão maior, transtornos de ansiedade, diabetes, hipertensão, obesidade e problemas urinários.
Acontece com homens e mulheres de qualquer idade, sendo mais frequente o seu aparecimento na 3ª década de vida. É caracterizada pela presença de lesões avermelhadas e descamativas, normalmente em placas bem delimitadas que podem coçar ou não, em qualquer parte do corpo, com maior incidência no couro cabeludo, cotovelos e joelhos, podendo afetar ainda mucosas, unhas e até articulações. Apresenta períodos de melhora e piora ao longo da sua evolução. Essa doença pode levar a uma piora na qualidade de vida dos pacientes, devido a rejeição das pessoas que os cercam.
A psoríase pode ser agravada por fatores psicológicos, estresse, frio, baixa umidade, ingestão de álcool e tabaco e corticosteroides. Aliás, o uso de medicamentos corticoides [também conhecidos como cortisonas] injetáveis ou oral, pode fazer com que a psoríase atinja 100% do corpo, na chamada psoríase eritrodérmica. Corticoides nas formas de cremes, pomadas e champôs devem ser utilizados somente durante poucas semanas e em pequenas áreas do corpo, para se evitar os efeitos adversos sistêmicos e locais na pele. A causa mais frequente da psoríase é a genética associada a fatores psicológicos. A escolha do tratamento deve ser feita considerando-se a gravidade e a extensão do quadro clínico e do comprometimento psicoemocional do paciente. Atinge 2 a 3% da população mundial com uma maior frequência em pessoas brancas com vulnerabilidade genética [cerca de 80% dos casos]. Atualmente, a psoríase é considerada uma doença sistêmica, inflamatória e imunomediada, isto é, o processo inflamatório crônico da pele e/ou músculo-esquelético pode atingir outros sistemas e órgãos, levando a alterações metabólicas do colesterol, triglicérides, resistência a insulina, obesidade, esteatose não-alcoólica, entre outras; por exemplo, a psoríase é considerada um risco cardiovascular independente.

Apsoríase pode se manifestar de diversas formas:

  • psoríase Vulgar ou psoríase em placas: é a manifestação mais comum representando em torno de 80 a 90% dos casos. Lesões de tamanhos variados, delimitadas e avermelhadas, com escamas secas, aderentes, prateadas ou acinzentadas, que surgem no couro cabeludo, joelhos e cotovelos;
  • psoríase palmar e plantar ou psoríase palmoplantar: As lesões aparecem como fissuras nas palmas das mãos e nas "plantas" [solas] dos pés;
  • psoríase gutata ou psoríase em gotas: é caracterizada por numerosos pequenos pontos redondos parecidos com gotas [diagnóstico diferencial pitiríase rósea-lesão forma-oval]; essas numerosas "gotas" de psoríase podem estar associadas à infecção estreptocócica da garganta e aparecem em grandes áreas do corpo, tais como o tronco, membros e couro cabeludo;
  • psoríase pustulosa; Aparece como lesões não-infecciosas com pus [pústulas], que podem ter localização generalizada com manchas espalhadas em quaisquer partes do corpo, ou ainda estar principalmente localizadas nas mãos e pés [pustulose palmoplantar]; a pele debaixo e em torno das pústulas fica vermelha e macia;
  • psoríase flexural ou psoríase invertida [psoríase inversa]: aparece como manchas lisas inflamadas de pele, que geralmente ocorrem em dobras da pele, especialmente em torno dos genitais [entre a coxa e as virilhas], nas axilas [entre os "pneuzinhos" nos excessos de gordura abdominal], e embaixo das mamas [pregas inframamárias]; é agravada pelo atrito e suor, e é vulnerável a infecções fúngicas;
  • psoríase artropática; envolve a inflamação do tecido articular e conjuntivo e pode afetar qualquer articulação, muito embora seja mais comum nas articulações dos dedos das mãos e dos pés, podendo resultar em um inchaço no formato de salsicha nos dedos do paciente, também conhecido como dactilite]; também pode afetar os quadris, joelhos e coluna [espondilite]; cerca de 5 a 40% das pessoas que têm psoríase sofrem sério comprometimento articular, que surge de repente, com dor nas pontas dos dedos das mãos e dos pés ou ainda nas grandes articulações, como a do joelho, por exemplo;
  • psoríase eritrodérmica ou psoríase eritrodemia: envolve a inflamação generalizada e esfoliação da pele sobre a maior parte da superfície do corpo, pode ser acompanhada de coceira, inchaço e dor, e muitas vezes, é o resultado de uma exacerbação da psoríase em placas instáveis, especialmente após a retirada abrupta do tratamento sistêmico; essa forma de psoríase pode ser fatal, pois a inflamação extrema e esfoliação pode interromper a habilidade do corpo em regular a temperatura do organismo e dificultar que a pele possa realizar funções de barreira;
  • psoríase Ungueal: Ocorre em cerca de 70 a 80% dos pacientes e produz uma variedade de mudanças na aparência de unhas e pés, que podem incluir descoloração [amarelamento], linhas cruzando as unhas e espessamento da pele abaixo da unha, que pode levar a quebra e afrouxamento [onicólise] das unhas.

Existem ainda outras formas mais raras de psoríase como na córnea, orelha ou nariz. São comuns múltiplas formas de manifestações simultâneas no mesmo paciente.
Na maioria dos casos, apenas a pele é acometida, não sendo observado qualquer comprometimento de outros órgãos ou sistemas. Em aproximadamente 30% dos casos há artrite associada.
Por ser a psoríase uma doença que afeta a pele [órgão externo e visível], essa doença tem efeitos psicológicos não negligenciáveis. Como a forma de acordo com que cada indivíduo se vê está relacionada com a valorização pessoal, numa sociedade que muitas vezes é mais sensível à aparência exterior que a outras características da personalidade, o melhor cuidado a ter com uma pessoa afetada pela psoríase é dar-lhe apoio psicológico: ternura, carinho, afeto, atenção..., etc...
Nas psoríases, mais de 70% dos pacientes apresentam prurido [coceira ou comichão] moderado ou intenso. Comprometimento articular atinge cerca de 25% dos casos. O abscesso de Munro-Sabouraud [acúmulo de para queratose numa coleção de pus na pele ou subcutâneo, circunscrita, proeminente ou não, de tamanho variável] pode ser visto em 60% dos exames histopatológicos. Mais de 70% relatam dores nas articulações e 30% desenvolvem artrites.
A doença manifesta-se com a inflamação nas células da pele [chamadas queratonócitos], provocando o aumento exagerado da produção das mesmas, que vão se acumulando na superfície e formando placas avermelhadas de escamação, esbranquiçadas ou prateadas. Isso em meio a um processo inflamatório e imunológico local. O sistema de defesa local, formado pelos linfócitos T, é ativado como se a região cutânea tivesse sido agredida. Em consequência disso, os linfócitos T liberam substâncias mediadoras da inflamação [chamadas citocinas], que aceleram o ritmo de proliferação das células da pele.
Os lugares de predileção da psoríase são os joelhos e cotovelos, couro cabeludo e região lombossacra - todos locais frequentes de traumas [fenômeno de koebner].
A psoríase pode ser classificada como leve (menos de 3% do corpo), moderada (3 a 10% do corpo) ou severa (mais de 10% do corpo).
Também é muito usada a escala PASI [Índice de gravidade de psoríase por área ou "Psoriasis Area Severity Index"], pela qual se avalia além da área comprometida, a presença de eritema, infiltração e descamação.
Nos últimos anos, tem-se levado em consideração o DLQI [índice de qualidade de vida na dermatologia ou "Dermatology Life Quality Index"], , pois poucas lesões podem afetar muito as atividades laborais e de lazer, exigindo um tratamento mais eficaz, provavelmente com medicamentos sistêmicos. Assim o PASI e/ou DLQI maior que 10 pontos, pode representar uma psoríase grave.

Fontes consultadas:

  1. www.worldpsoriasisday.com/…
  2. pt.wikipedia.org/…
  3. drauziovarella.com.br/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/1377

RSS/XML