Dia Estadual da Inclusão Digital (29 de março)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/4073

Próxima Celebração "Dia Estadual da Inclusão Digital": Quinta-Feira, 29 de Março de 2018, : daqui 333 dias, 11:16:26-03:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 4 minutos.

O Dia Estadual da Inclusão Digital em 29 de março de cada ano, é uma comemoração no Estado brasileiro de Goiás, que foi criada pela Lei Nº 16.633 de 22 de julho de 2009, e que pode estar relacionada com a "Semana Estadual de Incentivo à Inclusão Digital" de goianos e com a "semana da inclusão digital" na última semana de março de cada ano no Brasil.

A Lei supracitada do Estado de Goiás diz que, por ocasião desse dia festivo, o Poder Executivo de Goiás, deverá fixar por meio de seus órgãos competentes, a programação a ser desenvolvida durante essa data comemorativa, como palestras, cursos, debates, simpósios e outras atividades correlatas, fomentando a discussão sobre a inclusão digital, com o objetivo principal, de sensibilizar a sociedade e do Poder Público goiano sobre a importância da inclusão digital em comunidades de baixa renda e para pessoas portadoras de necessidades especiais.

Para conhecimento, inclusão digital é o nome dado ao processo de democratização do acesso às tecnologias da Informação, de maneira a permitir a inserção de todos na sociedade da informação. Inclusão digital é também simplificar a rotina diária do incluído, maximizar o tempo e as suas potencialidades. Um incluído digitalmente não é aquele que apenas utiliza essa nova linguagem, que é o mundo digital, para apenas trocar e-mails, mas aquele que usufrui desse suporte para melhorar as suas condições de vida, a fim de buscar novas oportunidades de emprego, meios de comunicação, formas de obter aprendizado, entre outras utilizações. Assim, a inclusão digital pode trazer mais benefícios para a vida pessoal e profissional do cidadão.

Para que seja viável, a inclusão digital necessita de 3 instrumentos básicos, que são: dispositivo para conexão, acesso à rede mundial de computadores ou internet e o domínio dessas ferramentas, pois, não basta apenas o cidadão possuir um simples computador conectado à internet para que ele seja considerado um incluído digital. Ele precisa saber o que fazer com essas ferramentas. Entre as estratégias inclusivas no Brasil, estão, por exemplo, projetos e ações ofertados pelo SENAI [Serviço Nacional da Indústria] e pelo SENAC [Serviço Nacional do Comércio], que facilitam o acesso de pessoas de baixa renda às TIC [tecnologia da Informação e Comunicação]. A inclusão digital volta-se também para o desenvolvimento de tecnologias que ampliem a acessibilidade para usuários com deficiência. Dessa forma, toda a sociedade poderia ter acesso a informações disponíveis na Internet, e assim, produzir e disseminar conhecimento.

A inclusão digital insere-se no movimento maior de inclusão social, um dos grandes objetivos compartilhados por diversos governos ao redor do mundo nas últimas décadas. Dois novos conceitos são incorporados as políticas de inclusão digital: a acessibilidade de todos às tecnologia da Informação e Comunicação (neste caso, não somente a população deficiente), e a competência de uso das tecnologias na sociedade da informação. É importante ressaltar que a literatura tem apontado que as desigualdades relativas às formas de acesso à comunicação digital são de diversas naturezas. Em outras palavras, é preciso compreender tal fenômeno como algo que vai além da mera falta de acesso a computadores, partindo-se para uma avaliação que leve em conta desigualdades geográficas ou relativas ao domínio que cada usuários tem quanto aos softwares mais comuns. Nesse sentido, as políticas públicas devem se dedicar a enfrentar tais problemas nas suas mais diversas dimensões.

Segundo alguns, a informática é tida como a maior descoberta do século XX. A sua expansão é universal, e a sua utilidade é indescritível, fazendo com que quem a desconheça esteja praticamente fora do mercado de trabalho. Analisando o crescimento da informatização dos serviços oferecidos à sociedade atual, cada vez mais se busca a necessidade da inclusão digital dos cidadãos nesse modo de vida. Ao acontecer o uso destes recursos tecnológicos, eles devem ser apropriados de meios onde a tecnologia da informação e comunicação se direcione para fazer valer a inclusão dos indivíduos neste ciberespaço. Daí a necessidade de incentivar também a inclusão digital nas escolas.

Assim, a escola se apresenta como ambiente capaz de fazer imergir tais tecnologias a serviço de uma metodologia de ensino a favor da interação dos alunos nesta sociedade da informação, anulando, assim, as diferenças sociais não pertinentes a este processo. Ao se utilizar diferentes mídias, que colaboram para a apropriação de um ambiente de comunicação, o computador e seus inúmeros recursos destacam-se como ferramenta de acesso apoiado por diferentes programas sociais do governo federal no Brasil. Baseado nestes preceitos, a inclusão digital no ambiente escolar deve ser uma ação educacional que envolva o professor, ao capacitar-se para apropriação e ideal uso de recursos tecnológicos, e o aluno, como sujeito no espaço de interação e comunicação de novas formas de colaboração, interatividade, conhecimento e cidadania.

Fontes consultadas:

  1. www.gabinetecivil.go.gov.br/…
  2. www.gabinetecivil.go.gov.br/…
  3. www.jornalapraca.com.br/…
  4. pt.wikipedia.org/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/4073

RSS/XML