Dia dos Blocos de Carnaval de Rua (1 de março)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/3871

Próxima Celebração "Dia dos Blocos de Carnaval de Rua": Quinta-Feira, 1 de Março de 2018, : daqui 248 dias, 01:09:48-03:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 5 minutos.

O Dia dos Blocos de Carnaval de Rua em 1 de março de cada ano, é uma comemoração no Estado brasileiro do Rio de Janeiro, que foi estabelecida pela Lei Nº 4.851 de 25 de setembro de 2006, e que foi ratificada pela Lei Nº 5.645 de 6 de janeiro de 2010, para ser celebrada no dia do aniversário da cidade brasileira do Rio de Janeiro-RJ, com o apoio da SEBASTIANA [Associação Independente de Blocos do Carnaval de Rua da Zona Sul, Santa Teresa e Centro da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro].

Apesar de grandes esforços e muitas pesquisas, ainda não me foi possível obter maiores explicações e porquês para a criação dessa data comemorativa do Estado do Rio de Janeiro em 1 de março, mesmo após a leitura da íntegra com a respectiva justificação do Projeto de Lei Nº 3.213 de 7 de março de 2006 da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.

Para conhecimento, nos primeiros anos da década de 1930, os desfiles de escolas de samba da cidade do Rio de Janeiro eram desorganizados, sem horários e nem itinerários preestabelecido, inclusive sem disputa ou premiação, sendo apenas indispensável que os grupos passassem pela Praça Onze e pelas casas das tias baianas, respeitadas desde então como as mães do samba e do carnaval popular dos cariocas, tendo principalmente na figura de Tia Ciata, a mais famosa e respeitada de todas elas, o que fez com que as baianas passassem a ser representadas até hoje nos desfiles carnavalescos, pelas tradicionais alas das baianas das escolas de samba.

Atualmente, o Desfile das Escolas de Samba do Rio de Janeiro é a parada carnavalesca que acontece anualmente na Marquês de Sapucaí. Ao longo dos anos os nomes dos grupos, número de escolas participantes e regras de competição foram alterados. Um determinado número de agremiações disputam o título de campeã do carnaval com avaliações feitas por jurados divididos entre diversos quesitos previamente estipulados pela liga organizadora do evento. As divisões das escolas são entre Grupo Especial, espécie de 1ª divisão e administrado pela LIESA [Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro]; a Série A, administrada pela LIERJ [Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeiro]; o Grupo B C D e E , administrado pela LIESB [Liga Independente das Escolas de Samba da Série B], sendo que abaixo delas ficam as aspirantes a Escola de Samba, que são chamados de Blocos de Enredo, cuja campeã passa por avaliação para se tornar ou não uma agremiação com a siglas GRES ]Grêmio Recreativo Escola de Samba].

Inicialmente, os desfiles eram realizados no domingo de carnaval, na Praça Onze. O local ficou conhecido como o "berço do samba carioca" chamado de Pequena África. Deixa Falar desfilou pela 1ª vez na região em 1929. Em 1930, já havia 5 escolas desfilando incluindo Mangueira e Vai Como Pode, mais tarde conhecida como Portela: Para o Ano Sai Melhor, Segunda Linha do Estácio e Unidos da Tijuca. O desfile das escolas de samba tornou-se um concurso, que ganhou Deixa Falar em 1930 e 1931. Em 1932, havia 19 escolas desfilando. Em 1933, o desfile passou a ser patrocinado pelo maior grupo de mídia brasileiro da época, O Globo. Eles estabeleceram então uma lista de 4 critérios de avaliação para os juízes. Em 1942, com as obras da avenida Presidente Vargas, o desfile mudou de local. Em 1945, foi realizado no Estádio São Januário. Após 1947, na Avenida Presidente Vargas. A partir de 1952, passaram a ser montadas arquibancadas para o público assistir aos desfiles. Em 1961, os desfiles passaram a ser um evento com cobrança de ingresso do público. Em 1974, devido às obras do metrô, o desfile foi realizado na avenida Presidente Antônio Carlos. Em 1978, ocorreu a mudança para a rua Marquês de Sapucaí.

Em 1983, o então governador do Estado do Rio de Janeiro, Leonel Brizola, encomendou ao arquiteto brasileiro, Oscar Niemeyer, o projeto de um local definitivo para os desfiles, já que até então as arquibancadas eram montadas na época do carnaval e depois desmontadas. O local escolhido foi a própria Marquês de Sapucaí, que passou a ser usada exclusivamente para o desfile, ficando fechada para o tráfego. Foi inaugurada em 2 de março de 1984, e passou a ser conhecido popularmente como 'Sambódromo', embora seu nome oficial fosse Passarela do Samba. No 1º ano de desfile na nova passarela, havia uma modificação nos desfiles, que no final da passarela, em forma de praça, deveriam conter uma 'apoteose'. De fato, o local, ficou conhecido como praça da apoteose. Essa prática foi abandonada nos anos seguintes, e essa praça é usada hoje para eventos de música. Em 18 de fevereiro de 1997, o nome foi mudado para "Passarela Professor Darcy Ribeiro", em homenagem ao idealizador do projeto. No entanto, o nome popular 'Sambódromo' prevaleceu. Com o aumento do número de escolas e do número de componentes em cada uma, o que tornou o desfile mais longo e cansativo para o público, em 1984, o desfile passou a ser realizado em dois dias: domingo e segunda-feira. No 1º ano, foram proclamadas as campeãs de cada dia de desfile, e a supercampeã, que foi a Mangueira, num resultado geral do desfile das campeãs, realizado no sábado seguinte. Porém, essa prática não teve sucesso, motivo pelo qual a Mangueira se tornou a única supercampeã da história do Carnaval carioca.

As escolas tem seus componentes divididos em grupos ou alas, e cada ala tem a mesma fantasia, dentro do enredo trazido; uma bateria, que são os ritmistas que tocam os instrumentos de percussão; uma ala de baianas, figura tradicional do carnaval carioca; uma ala de crianças; uma comissão de frente, formada por 15 pessoas em média, que vem na frente da escola, em geral, com uma apresentação teatral ou coreográfica; as alegorias, que são os carros alegóricos, onde estão os destaques, figuras centrais do enredo; os passistas, que são os componentes que desfilam "sambando no pé", já que as alas evoluem e não sambam, algumas apresentam coreografias ensaiadas, e atualmente, os componentes dos carros também podem apresentar coreografias; os diretores de harmonia, que são elementos responsáveis pela organização do desfile; o mestre-sala e porta-bandeira, responsáveis pela condução do pavilhão da escola, que se apresentam ricamente trajados e bailando, sendo que todos os componentes cantam o samba enredo em uníssono, liderados pelo cantor oficial da escola, o "puxador".

Fontes consultadas:

  1. alerjln1.alerj.rj.gov.br/…
  2. alerjln1.alerj.rj.gov.br/…
  3. pt.wikipedia.org/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/3871

RSS/XML