Dia do Gráfico (7 de fevereiro)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/3667

Próxima Celebração "Dia do Gráfico": Quarta-Feira, 7 de Fevereiro de 2018, : daqui 223 dias, 18:01:09-03:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 4 minutos.

O Dia do Gráfico em 7 de fevereiro de cada ano, é uma comemoração nos Estados brasileiros do Maranhão [Lei Nº 4.776 de 16 de junho de 1987] e São Paulo [Lei Nº 3.875 de 28 de maio de 1957], em apoio (ou dando origem) ao "Dia Nacional do Gráfico", no Brasil, além de contar também com o "Dia do Trabalhador Gráfico" no Distrito Federal brasileiro.

Essa data comemorativa de paulistas e brasileiros em geral tem por fim, marcar a data do início da grande e bem-sucedida greve dos operários da indústria gráfica paulista em 7 de fevereiro de 1923, que foi liderada pelo ativista brasileiro e linotipista gráfico, João da Costa Pimenta, reivindicando então, aumento salarial e melhores condições de trabalho aos gráficos de São Paulo, e que então fez com que todos os trabalhadores em todas as gráficas fossem beneficiados com a maioria dos direitos conquistados pelos 42 dias de greve dos trabalhadores gráficos do estado paulista, e possibilitou a criação da UTG [União dos Trabalhadores Gráficos] no Brasil.

Para conhecimento, o gráfico, é o profissional responsável pela produção e consequente difusão de todos os materiais impressos, inclusive as informações e a publicidade. Assim, ser gráfico é trabalhar com impressão de materiais impressos de todos os tipos, além de se responsabilizar pela editoração de artigos de cartonagem e papelaria, editar livros, convites, jornais, revistas, etc... O inventor alemão, Johan Gutemberg, foi o grande responsável pela criação desse tipo de trabalho, feito através de tipos metálicos (letras em alto relevo) e tinta, aperfeiçoando a técnica de impressão em moldes jamais vistos, um feito revolucionário realizado em 1455. Antes de Gutenberg, para se fazer a cópia de um livro, era necessário um escriba para a replicação de livros de forma manuscrita, e os custos de uma unidade eram muito elevados, fazendo com que a leitura fosse um privilégio da elite e do clero. A partir desses materiais e de uma técnica que permitia imprimir cerca de trezentas páginas por dia, Johan Gutemberg fez a 1ª impressão da Bíblia Sagrada, que permitiu a propagação do conhecimento da Bíblia Sagrada e de outros livros impressos depois dela para todos, marcando uma etapa considerada como um símbolo-chave de um momento de transição da história da humanidade.
Até então, a Bíblia era o livro mais caro do mundo, porque sua transcrição manual ocupava o trabalho de muitas pessoas. Mesmo o 1º livro impresso por Gutenberg era em si muito caro, pois calcula-se que, para a aquisição de um seu exemplar naquela época, fazia-se necessário 4 vezes o ordenado anual de um escrivão de livros manuscritos.

A tarefa da impressão da Bíblia foi extenuante e quase além das limitadas possibilidades humanas do século XV.
Lê-se, por exemplo, na revista da SBB [Sociedade Bíblica do Brasil]:
Durante quase 3 anos - de 1452 até 1455 - Gutenberg trabalhou na impressão da Bíblia. Para imprimir o Livro dos livros foi necessário o trabalho de uma grande equipe: Além de Gutenberg, 6 impressores, 12 tipógrafos e mais 20 auxiliares.
"O material empregado para a Bíblia impressa por Gutenberg foi o pergaminho, e para as suas 30 primeiras Bíblias ele precisou da pele de 5.000 cabras. Ao todo foram impressas por Gutenberg cerca de 180 Bíblias."

Assim, após a invenção da impressão, com a fabricação em massa de livros resistentes, o mundo conheceu a expansão do conhecimento, o que esteve no cerne do período do Renascimento, em que os novos ideais e as descobertas científicas passaram a difundir-se por todas as partes, com uma facilidade nunca antes encontrada. Por isso, até hoje se pode dizer, que a obra de Gutenberg é de vital importância para o funcionamento da sociedade. Se pode dizer também, que, atualmente, o trabalho do profissional gráfico não se restringe somente à impressão de documentos, cartazes, livros e outros materiais. Esse profissional tem uma gama cada vez maior de afazeres e funções, graças aos avanços proporcionados pela revolução da informação, com a criação das artes digitais gráficas e outros meios de comunicação visual, fazendo com que tenham surgido profissionais como o arte-finalista, o designer gráfico e outros. Há, dessa forma, uma série de profissionais gráficos que atuam nas etapas de pré-impressão, impressão e acabamento.

Ao se conhecer o trabalho dos profissionais gráficos e a importância que esses especialistas possuem no contexto da sociedade, se pode perceber o quanto a força do trabalho garante a reprodução e o crescimento dos sistemas que estruturam a vida dos seres humanos. Os trabalhos gráficos são realizados em 3 níveis diferentes: a pré-impressão (a elaboração do produto), a impressão de uma matriz (rotogravura, flexografia ou off-set), e o acabamento através de dobraduras, cortes, colagens e grampeamentos. Com o passar dos anos os serviços de impressão tornaram-se mais modernos e rápidos, levando os afazeres gráficos a se tornarem instrumentos de alta eficácia para o mundo das comunicações, o que faz com que a sociedade moderna possa ver jornais impressos todas as noites, para circularem a partir das seis horas da manhã.
Porém, para que isso aconteça, é necessário contar com a participação de vários profissionais que cuidam de aspectos de produção, elaboração de pautas, escrita de reportagens, edição, diagramação, dentre outros, através de técnicas de produção que foram alteradas com as demais evoluções tecnológicas da humanidade, deixando de lado somente a impressão de textos escritos, e ampliando as impressões para imagens de alta resolução, digitalizadas, com edição de imagens, trabalhos em banners, painéis fotográficos, etc...

Por fim, dados da Associação Brasileira de Indústrias Gráficas revelam que o mercado de trabalho da área gráfica no Brasil cresceu muito nos últimos anos em razão do aumento das tecnologias. Hoje, o número desses profissionais chega a aproximadamente duzentos mil, estando os mesmos mais concentrados no Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo; nas outras capitais do país o número de gráficos é bem menor.

Fontes consultadas:

  1. www.al.sp.gov.br/…
  2. www.tc.df.gov.br/…
  3. brasilescola.uol.com.br/…
  4. mundoeducacao.bol.uol.com.br/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/3667

RSS/XML