Dia do Baobá (19 de junho)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/2695

Próxima Celebração "Dia do Baobá": Terça-Feira, 19 de Junho de 2018, : daqui 300 dias, 13:53:29-03:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 3 minutos.

O Dia do Baobá em 19 de junho de cada ano, é uma comemoração da cidade brasileira de Recife-PE, que foi criada pela Lei Nº 17.099 de 22 de junho de 2005, numa data tradicionalmente dedicada às entidades da terra por parte dos cultos afrobrasileiros, e que chegou a fazer com que alguns entusiastas da planta dogitassem a instituição de um eventual e fictício "Dia Nacional do Baobá?" no Brasil.

A Lei supracitada do Recife determina ainda que as comemorações ou manifestações alusivas a essa data comemorativa deverão ficar sob a responsabilidade da Secretaria de Cultura de Recife, em parceria com as instituições culturais e religiosas afrodescendentes da Cidade do Recife e Região Metropolitana.

A referida Lei municipal aqui mencionada diz também que o local de comemoração desse dia festivo deverá ser nos lugares onde são encontrados os baobás da Cidade do Recife.

Comemorar o baobá pode ter um significado muito importante para os afrodescendentes, , visto que alguns defensores dessa árvore trabalham com a ideia de que Plantar um Baobá no Brasil (e principalmente no Estado brasileiro do Pernambuco que é tido como o território de maior concentração de Baobás do mundo depois da África), significa fortalecer a luta pela reparação dos povos afrodescendentes, que durante muitos anos foram excluídos de qualquer implementação de políticas públicas direcionadas a valorização e reconhecimento da cultura afrodrasileira, pois o baobá ou Adansonia digitata representa para os afrodescendentes, um símbolo da manutenção de sua memória histórica e cultural).

Para conhecimento, o Baobá é uma árvore originária da África, principalmente de Guiné-Bissau, Angola, Moçambique, Zimbábue, Botsuana e Senegal (onde o baobá é tido como o principal símbolo do país), além de também ser considerado como a Árvore Nacional da ilha de Madagascar, no Oceano Índico.
No Brasil, as espécies da planta foram trazidas pelos negros e eram utilizadas em rituais de candomblé. Além do Pernambuco, existem baobás nos estados nordestinos de Alagoas, Rio Grande do Norte e Ceará, havendo ainda registro de uns poucos exemplares de Baobás nos estados de Goiás, Mato Grosso e Rio de Janeiro.

O o Baobá é uma árvore que tem a copa relativamente feia (pois parece ter sido plantado de cabeça para baixo), segundo a Liliana do Sob meu ponto-de-vista que até falou de uma lenda em que os deuses puniram essa árvore por sua inveja que era grande, plantando mesmo a coitada de cabeça-para-baixo. Um baobá pode viver milhares de anos (muito embora cientificamente tal longevidade seja impossível de se verificar pela ausência de anéis de crescimento em sua madeira), atingir uma altura de até 25 metros e um diâmetro de até 7 metros de tronco, havendo ainda alguns exemplares com até 20 metros de diâmetro, ser conhecido como árvore caixa d´água por guardar até 120 mil litros de água, o que faz com que o baobá seja carregado de simbolismo para todos os africanos, incluindo os afrodescendentes em geral.
O Baobá ganhou projeção internacional por conta de um baobá da Praça da República de Recife ser tido como possível fonte de inspiração para o livro "Pequeno príncipe" do aviador e escritor francês, Antoine Saint-Exupéry, quando de passagem pela capital pernambucana, muito embora um baobá da cidade brasileira de Natal-RN, que é conhecido como "Baobá do Poeta" também dispute essa primazia, por conta de nas décadas de 1920 e 1930, o escritor francês haver sido hóspede da então proprietária do terreno onde está localizada a árvore.

Baobás desenvolvem-se em zonas sazonalmente áridas, e são árvores de folha caduca, caindo suas folhas durante a estação seca. Produzem uma fruta chamada "mukua" ou fruto do baobá, que tem no seu interior um miolo seco comestível (não tem sumo), desfaz-se facilmente na boca e o seu sabor é agridoce (adocicado com uma ligeira acidez). Este fruto é rico em vitaminas e minerais.
Ao se dissolver a mukua em água a ferver se obtém o sumo de mukua que, depois de arrefecido, é tomado como uma bebida fresca com um sabor muito apreciado em determinados países.
Em Moçambique, o fruto, tem o nome de "malambe" na língua xi-nyungwe da província de Tete, tem uma polpa branca que seca no próprio fruto e que é utilizada para a alimentação, em tempos de escassez de comida; também é referida como cura para a malária.

Fontes consultadas:

  1. www.legiscidade.recife.pe.gov.br/…
  2. nisianoar.blogspot.com.br/…
  3. pontuando.zip.net/…
  4. pt.wikipedia.org/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/2695

RSS/XML