Dia de Harriet Tubman ou "Harriet Tubman Day" (10 de março)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/2874

Próxima Celebração "Dia de Harriet Tubman" ou "Harriet Tubman Day": Sábado, 10 de Março de 2018, : daqui 314 dias, 03:46:45-03:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 2 minutos.

O Dia de Harriet Tubman ou "Harriet Tubman Day" em 10 de março de cada ano, é uma comemoração de norte-americanos, que conta com a Proclamação Presidencial Nº 6.107 de 9 de março de 1990 do então presidente estadunidense, George Bush, assinada a partir da Resolução Conjunta Nº 257 do Congresso dos Estados Unidos da América.

Essa data comemorativa de estadunidenses tem por fim, marcar a data da morte da abolicionista, humanitária e espiã da União durante a "Guerra Civil dos Estados Unidos da América", Harriet Tubman [nascida Araminta Ross e também conhecida por "Moisés de seu povo" ou "Moses of her People" ou ainda Moisés dos Negros ou "Black Moses"], que lutou pela liberdade e contra a escravidão e o racismo, e que faleceu em 10 de março de 1913, depois de escapar do cativeiro e ter feito 13 missões para resgatar setenta escravos, se utilizando para isso de abrigos e da rede de ativistas abolicionistas conhecida como a "Via férrea subterrânea" ou "Underground railroad", além de ajudar o militar estadunidense, John Brown, a recrutar homens para o seu ataque a Harpers Ferry, e ainda lutar no pós guerra pela inclusão das mulheres estadunidenses no sufrágio eleitoral ou pelo direito ao voto feminino.

Nascida uma escrava por volta de 1820, no distrito de Dorchester na localidade estadunidense de Maryland, Tubman apanhou de seus vários mestres quando criança. Ainda jovem, sofreu uma ferida traumática na cabeça, quando um dono de escravos irado lançou-lhe um peso de metal, pretendendo acertar outro escravo. A lesão causou dores de cabeça, ataques epiléticos, poderosa atividade visionária e de sonho, e crises de hipersonia que ocorreram durante sua vida inteira. Como uma cristã devota, ela atribuiu suas visões e sonhos vividos a premonições de Deus.

Em 1849, Tubman escapou para a localidade norte-americana da Filadélfia e imediatamente retornou a Maryland para resgatar sua família. Devagar, e um grupo de cada vez, ela levou parentes consigo para fora do estado, e eventualmente guiou dezenas de outros escravos para a liberdade. Viajando de noite e em extremo segredo. Nessa atividade, Tubman "nunca perdeu um passageiro". Recompensas pesadas eram oferecidas para se tentar capturar muitas das pessoas que ela ajudou a libertar, mas ninguém tinha conhecimento de que era Harriet Tubman quem os ajudava.
Quando uma lei abrangente contra fugitivos entrou em vigor em 1850, ela ajudou a guiar fugitivos mais ao norte, em direção ao Canadá, e ajudou muitos recém-libertados a encontrar emprego.

Depois do início da "Guerra Civil Norte-Americana", Tubman trabalhou para o exército da união (norte), primeiramente como uma cozinheira e enfermeira, e então como batedora e espiã.
Tubman foi a 1ª mulher de que se tem notícias a liderar uma expedição armada nessa guerra, ao guiar o ataque no rio Combahee, que liberou mais de setecentos escravos.

Após a guerra, Harriet Tubman se retirou para a residência da família em Auburn em Nova Iorque, onde cuidou de seus pais idosos. A partir daí, foi ativa no movimento para o sufrágio feminino até ser tomada por doença e ter de se internar numa clínica para idosos afro-americanos que ela mesma havia ajudado a abrir anos antes.
Depois de sua morte em 1913, Tubman foi convertida num ícone norte-americano da coragem e da liberdade.

Fontes consultadas:

  1. www.presidency.ucsb.edu/…
  2. pt.wikipedia.org/…
  3. en.wikipedia.org/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/2874

RSS/XML