Dia de Beijar um/uma Ruivo(a) ou "Kiss a Ginger Day" (12 de janeiro)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/3559

Próxima Celebração "Dia de Beijar um/uma Ruivo(a)" ou "Kiss a Ginger Day": Sexta-Feira, 12 de Janeiro de 2018, : daqui 143 dias, 20:37:44-03:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 4 minutos.

O Dia de Beijar um/uma Ruivo(a) ou "Kiss a Ginger Day" em 12 de janeiro de cada ano, é uma comemoração iniciada em 2009 a partir do Canadá, pelo então coordenador da MTV Canadá, Derek Forgie, juntamente com um ruivo canadense nativo, na espectativa de que daqui a cerca de 100 anos ou ainda até 2100 possa não haver mais ruivos em nosso mundo para que idiotas possam tratá-los desumanamente e com maldade, que também é conhecida como "Dia Nacional de Beijar um/uma Ruivo(a) ou "National Kiss a Ginger Day".

Essa data comemorativa do bem foi uma resposta ao "Dia de Chutar um Ruivo ou "Kick a Ginger Day", que foi convocado em novembro de 2008 por um personagem racista da série norte-americana de humor negro, cruel, surreal e satírico na televisão "Comedy Central", "Southpark", e que irresponsavelmente foi imitado por jovens na vida real, provocando ferimentos e muito medo entre ruivos de escolas dos Estados Unidos da América, para ganhar logo em seguida grande repulsa de pessoas de várias partes do mundo.

Para conhecimento, os ruivos são acometidos por uma anormalidade chamada de rutilismo, cuja característica genética é responsável pela ocorrência de cabelos ruivos, ou seja, pelos e/ou cabelos de coloração vermelha ou laranja avermelhados. A presença de cabelos ruivos ocorre em aproximadamente 2% da população humana. Essa característica ocorre mais frequentemente (2–6%) em pessoas cujos ancestrais são oriundos do norte ou oeste europeu e menos frequentemente noutras populações.
Em 1997, descobriu-se a bioquímica dos cabelos ruivos, demonstrando-se que estes se associam ao receptor da melanocortina-1 e componentes de ferro. Acredita-se que o gene recessivo associado teria uma antiguidade. Quase todos os ruivos apresentam variantes na região MC1R do cromossomo 16.

Os cabelos avermelhados são uma mutação genética. A genética de cabelos vermelhos, descoberta em 1997, parece estar associada com o receptor de melanocortina-1 (MC1R), que é encontrado no cromossoma 16. Cabelos vermelhos estão associados com uma boa cor de pele, porque baixas concentrações de eumelanina em todo o corpo daqueles com cabelos vermelhos, causado por uma mutação MC1R pode provocar, A concentração de melanina inferior na pele, que confere a vantagem de que uma concentração suficiente da importante vitamina D pode ser produzido sob condições de baixa luminosidade, daí acreditar-se que a pele não-bronzeadora associada com cabelo vermelho pode ter sido vantajoso em climas longínquos onde a luz solar é escassa. No entanto, quando a radiação UV é bem forte (como em regiões próximas do equador), a menor concentração de melanina leva a várias desvantagens médicas, como um maior risco de câncer de pele, por exemplo.

O gene MC1R variante que dá às pessoas o cabelo vermelho, é recessivo, e geralmente resulta em pele que é incapaz de se bronzear e, devido à reação de bronzeamento natural, a luz ultravioleta do sol e altas quantidades de pheomelanin na pele, fazem com que sardas sejam uma característica comum, mas não abrange todas as pessoas de cabelos vermelhos. Oitenta por cento dos ruivos têm uma variante de gene MC1R, e a prevalência desses alelos [formas alternativas de um mesmo gene ou locus genético] é maior na Escócia e na Irlanda.
Cabelo vermelho pode originar-se de várias mudanças no gene MC1R. Se uma destas alterações está presente em ambos os cromossomas, então o respectivo indivíduo é susceptível de ter cabelos vermelhos. Este tipo de herança é descrito como um modo de herança autossômico recessivo. Mesmo se ambos os pais não têm cabelos vermelhos, quando ambos são portadores para o gene, eles podem gerar uma criança ruiva. Estudos genéticos de dizigóticos (irmãos) gêmeos, indicam que o gene MC1R não é o único responsável pelo fenótipo de cabelos vermelhos; existem Genes modificadores não identificados, tornando a variação no gene MC1R necessária, mas nem sempre suficiente, para resultar na geração de ruivos.

Cabelos vermelhos é a cor natural de cabelos mais rara em seres humanos. O lugar do mundo com o maior número percentual de ruivos é o Reino Unido, especialmente na Escócia. Calcula-se que de 10 a 13% da população escocesa tenha cabelos avermelhados.
Ao longo dos anos tem havido uma série de estudos medindo a percentagem de ruivos no Reino Unido e na Irlanda. Os números exatos e os métodos variam, mas todos concordam que os maiores percentuais do mundo estão dentro dessas ilhas. Por isso, quando a crença nas fadas chegou ao sudeste da Inglaterra em meados do século XVII, no final do reino da rainha Elizabeth, I, as fadas são frequentemente imaginadas e representadas como lindas mulheres de cabelos ruivos. Na Irlanda , a percentagem da população com cabelos vermelhos está estimada em cerca de 10%. De acordo com o DNA da Grã-Bretanha, 34,7% da população irlandesa carregam os genes para o cabelo vermelho, embora isso não se traduza diretamente proporcional em nascimentos de crianças ruivas.

A Escócia também tem uma percentagem muito elevada, com cerca de 6% da população com cabelos vermelhos. Anteriormente, estimava-se que a ocorrência de pessoas ruivas na Escócia estivesse em torno de 13%, o que tinha sido amplamente relatado em fontes de mídia confiáveis. No entanto, o Doutor Jim Wilson em estudo do DNA da Grã-Bretanha usou uma amostra de 2.343 pessoas, e encontrou ocorrência de 6% de cabelos vermelhos na Escócia, com 35% do total, portador do gene e Edimburgo, com a maior proporção de portadores do gene em 40%. O maior estudo de sempre da cor do cabelo, na Escócia até o momento, que então analisou mais de 500.000 pessoas em 1907, encontrou a percentagem com cabelos vermelhos na faixa de 5,3%.

A emigração da Europa multiplicou a população de seres humanos de cabelos vermelhos nas Américas, Austrália, Nova Zelândia e África do Sul. Estima-se que 2-6% da população dos Estados Unidos da América tem cabelo vermelho. Isso daria ao país dos ianques a maior população de ruivos no mundo, entre 6 e 18 milhões, quando comparada com aproximadamente 420.000 na Irlanda e 300.000 na Escócia.

Fontes consultadas:

  1. hotforginger.com/…
  2. www.nationaldaycalendar.com/…
  3. en.wikipedia.org/…
  4. pt.wikipedia.org/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/3559

RSS/XML