Dia das Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais ou APAEs (25 de março)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/4034

Próxima Celebração "Dia das Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais" ou "APAEs": Domingo, 25 de Março de 2018, : daqui 216 dias, 00:08:51-03:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 4 minutos.

O Dia das Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais ou APAEs em 25 de março de cada ano, é uma comemoração no Estado brasileiro de São Paulo, que foi estatuída pela Lei Nº 10.838 de 4 de julho de 2001 e Artigo Nº 101 da Lei Nº 12.907 de 15 de abril de 2008, e que conta também com o "Dia Estadual da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais" ou "APAE" no Estado brasileiro de Minas Gerais.

Essa data comemorativa dos Estados de Minas Gerais e São Paulo tem por fim, marcar a data do aniversário do Nascimento da psicóloga e pedagoga brasileira de origem bielorrussa, Helena Wladimirna Antipoff, que, depois de ter obtido formação universitária na Rússia, na cidade francesa de Paris e na cidade suíça de Genebra, terminou por fixar-se no Brasil a partir de 1929, depois de um convite do governo do estado brasileiro de Minas Gerais no contexto da operacionalização da reforma de ensino conhecida como "Reforma Francisco Campos-Mário Casassanta", tendo sido pioneira na introdução da educação especial no Brasil, enquanto grande pesquisadora e educadora da criança portadora de deficiência e tendo iniciado o movimento pestalozziano brasileiro, que atualmente conta com cerca de 100 instituições, a partir da fundação da 1ª Sociedade Pestalozzi na cidade brasileira de Belo Horizonte-MG em 22 de novembro de 1932, cuja importante contribuição na educação de pessoas especiais é continuada nas Terras Brasilis pela Fundação Helena Antipoff, e cujo trabalho serviu de fase para a criação das APAEs [Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais] no Brasil.

Para conhecimento, a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais é uma associação em que, além de pais e amigos dos excepcionais, toda a comunidade se une para prevenir e tratar a deficiência e promover o bem estar e desenvolvimento da pessoa com deficiência. As APAEs têm como principal missão, prestar serviços de assistência social no que se diz respeito a melhoria da qualidade de vida da pessoa portadora de deficiência, conscientizando cada vez mais a sociedade; e promover e articular ações de defesa dos direitos das pessoas com deficiência e representar o movimento perante os organismos nacionais e internacionais, para a melhoria da qualidade dos serviços prestados pelas Apaes, na perspectiva da inclusão social de seus usuários.

É um movimento que se destaca no Brasil pelo seu pioneirismo. Nascida na cidade brasileira do Rio de Janeiro-RJ no dia 11 de dezembro de 1954, por ocasião da chegada ao Brasil da integrante do corpo diplomático norte-americano e mãe de uma portadora de Síndrome de Down, Beatrice Bemis, procedente dos Estados Unidos da América. Motivados por aquela cidadã estadunidense, um grupo, congregando pais, amigos, professores e médicos de excepcionais, fundou a 1ª Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais do Brasil. A 1ª reunião do Conselho Deliberativo ocorreu em março de 1955, na sede da Sociedade Pestalozzi do Brasil. Esta colocou a disposição, parte de um prédio do educandário Pestalozzi, para que se instalasse uma escola para crianças excepcionais, conforme desejo do professor La Fayette Cortes, que então contava com duas salas de aula que atendiam a 20 crianças com deficiência. Mais tarde, por iniciativa da professora brasileira, Olívia Pereira, criaram-se oficinas pedagógicas com atividades criativas e profissionalizantes.

De 1954 a 1962, surgiram outras APAEs. Pela primeira vez no Brasil, discutia-se a questão da pessoa portadora de deficiência com um grupo de famílias que trazia para o movimento suas experiências como pais de deficientes e, em alguns casos, também como técnicos na área. No final de 1962, 12 das 16 Apaes já existentes no Brasil reuniram-se na cidade brasileira de São Paulo-SP, para a 1ª reunião nacional de dirigentes apaeanos, coordenada pelo médico psiquiatra brasileiro nascido na Polônia, Stanislau Krynsky. Pela 1ª vez, se discutiram e trocaram experiências sobre pessoas com deficiências em nível nacional no Brasil, surgindo a necessidade de se formar um Conselho ou uma Federação das Apaes. Prevaleceu essa última proposta, a partir do que foi fundada a Federação Nacional das APAEs em 10 de novembro de 1962, que funcionou durante vários anos em São Paulo, no consultório do próprio Stanislau Krynsky. O 1º presidente da diretoria provisória eleita foi Antonio Clemente Filho.

Em 1964, o então presidente-ditador do Brasil, marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, apoiou a iniciativa para a aquisição de um prédio. Construiu-se então, no terreno onde hoje se localiza a atual sede do Rio de Janeiro. Com a aquisição da sede própria a Federação foi transferida para a cidade e capital brasileira de Brasília-DF. Adotou-se como símbolo a figura de uma flor ladeada por duas mãos em perfil, uma em posição de amparo e a outra de proteção. A Federação, a exemplo de uma APAE, se caracteriza por ser uma sociedade civil, filantrópica, de caráter cultural, assistencial e educacional com duração indeterminada, congregando como filiadas as APAEs e outras entidades congêneres, tendo atualmente, sede e fórum em Brasília.

Fontes consultadas:

  1. www.almg.gov.br/…
  2. www.al.sp.gov.br/…
  3. www.al.sp.gov.br/…
  4. pt.wikipedia.org/…
  5. www.revistas.ufg.br/…
  6. www.jusbrasil.com.br/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/4034

RSS/XML