Dia da Unidade Latino-americana e Caribenha ou "Día de la Unidad Latinoamericana y Caribeña" (22 de junho)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/3508

Próxima Celebração "Dia da Unidade Latino-americana e Caribenha" ou "Día de la Unidad Latinoamericana y Caribeña": Sexta-Feira, 22 de Junho de 2018, : daqui 304 dias, 20:19:14-03:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 3 minutos.

O Dia da Unidade Latino-americana e Caribenha ou "Día de la Unidad Latinoamericana y Caribeña" em 22 de junho de cada ano, é uma comemoração latino-americana, que foi instituída por Resolução do PARLATINO [Parlamento Latino-Americano], reunido de 23 de agosto a 27 de agosto de 1988 na cidade e capital argentina de Buenos Aires, e que já está ratificada em alguns países da região, como é o caso da Nicarágua [Lei Nº 818 de 14 de novembro de 2012] e Paraguai, que criou o "Dia da Unidade Latino-americana" ou "Día de la Unidad Latinoamericana".

Essa data comemorativa de latino-americanos tem por fim, marcar a data da instalação do "Congresso do Panamá" [também conhecido por Congresso Anfictiônico ou "Congreso Anfictiónico", em referência às Anfictionias ou da Liga Anfictiônica da Grécia antiga], que se deu em 22 de junho de 1816, uma quinta-feira, no Salão Capitular do antigo convento de San Francisco -[Atual Palácio Bolívar] da cidade do Panamá, e que se reuniu até 15 de julho desse mesmo ano, um sábado, a partir da convocatória feita em 7 de dezembro de 1824 pelo independentista latino-americano, Simón José Antonio de la Santísima Trinidad Bolívar Palacios y Blanco, com o fim de buscar a unidade na América Hispânica, pois desde a "Carta da Jamaica" de 1815, que Simón Bolívar desejava articular uma confederação hispano-americana.

Estiveram presentes neste encontro, os representantes dos Estados Unidos do México, da Grã-Colômbia (Venezuela e Equador), de Nova Granada (Colômbia, Guatemala e Panamá, incluindo a República Federal da América Central, [também conhecida como Províncias Unidas da América Central e Federação da América Central ou Federação Centro-Americana], hoje Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras e Nicarágua, e do Peru (incluindo então, a Bolívia). Ao todo, foram realizadas 10 reuniões, das quais foram conservadas atas e protocolos, sendo que, durante a 2ª Conferência, também se aceitou as credenciais do representante britânico, Edwards James Dawkins, na qualidade de observador e, em algum momento, se pode contar com a presença do representante dos Países Baixos (Holanda), Coronel Jan Van Veer, que não portava credenciais, e que terminou por não ser aceito como observador, muito embora, tenha sido autorizado a manter livre contato com os delegados presentes ao Congresso. Registrou-se a ausência dos demais países independentes no continente, a saber: Chile e Brasil [por conta de suas próprias situações internas], Rio da prata [atual Argentina] e Uruguai, cujos delegados não chegaram a tempo, Paraguai, Estados Unidos da América e Haiti. O próprio Bolívar, que propusera o encontro, não compareceu, uma vez que se encontrava como interventor no Peru, à frente de uma força de seis mil homens da Colômbia, onde se demorou até setembro de 1826.
Como resultado desse Congresso, os delegados estabeleceram os seguintes princípios:

  • Compromisso de uma eterna aliança, numa confederação das repúblicas hispânicas, com o objetivo de defesa comum, solução pacífica de conflitos e preservação da integridade dos territórios dos estados-membros;
  • abolição do tráfico de escravos africanos;
  • estabelecimento do contingente dos efetivos militares, no Exército e na Marinha, buscando um equilíbrio entre as forças dos estados-membros; e
  • fixação das futuras reuniões do congresso, a serem realizadas em tempos de paz ou de guerra, ou seja, Simón Bolívar contribuiu também para o estabelecimento da UNASUL [União de Nações Sul-Americanas] ou UNASUR [Unión de Naciones Suramericanas].

A preocupação dos signatários, então recém-emancipados, era com uma possível intervenção da Espanha visando a recolonização, considerando as futuras emancipações de Porto Rico e de Cuba, bem como o fortalecimento conjunto frente a outras nações, como os Estados Unidos da América e o Brasil.

Fontes consultadas:

  1. legislacion.asamblea.gob.ni/…
  2. www.bacn.gov.py/…
  3. peru.embajada.gob.ve/…
  4. pt.wikipedia.org/…
  5. rosogrimau.blogspot.com.br/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/3508

RSS/XML