Dia da "Batalha do Jenipapo" (13 de março)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/2904

Próxima Celebração "Dia da "Batalha do Jenipapo": Terça-Feira, 13 de Março de 2018, : daqui 287 dias, 23:10:24-03:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 2 minutos.

O Dia da "Batalha do Jenipapo" em 13 de março de cada ano, é uma comemoração extraoficial do Estado brasileiro do Piauí, que conta com o apoio da Lei Nº 5507 de 17 de novembro de 2005, pela qual se alterou a Lei Nº 1.050 de 24 de julho de 1922 ou "Lei da Bandeira do Estado do Piauí", e se reforçou as convicções históricas sobre um dia festivo aventado como uma data celebrativa nacional brasileira por proposição do Projeto de Lei Nº 968 de 2007 da Câmara brasileira de Deputados Federais.

A Lei supracitada do Piauí manda também que a data histórica dos piauienses, ou seja, a data da "Batalha do Jenipapo" deve ser escrita em caracteres brancos com letras maiúsculas no retângulo azul abaixo da estrela da Bandeira do Piauí.

Essa data comemorativa de piauienses tem por fim,marcar a data da única batalha sangrenta pela independência do Brasil, que se deu em 13 de março de 1823, e que teve papel decisivo para manter a unidade territorial brasileira, pois fez com que com que a tropa de portugueses desviasse seu destino, daí a importância da mesma.

Para conhecimento, a "Batalha do Jenipapo" consistiu na luta de vaqueiros, agricultores e outros trabalhadores piauienses, cearenses e maranhenses da cidade brasileira de Campo Maior-PI [militarmente desarmados e munidos apenas de foices, espadas, chuços, facões, velhas espingardas de caça e instrumentos de trabalho], que então Perderam a batalha, mas que terminaram por contribuir para a consolidação do território nacional brasileiro, na "Guerra da Independência do Brasil" contra tropas bem armadas do Marechal português, João José da Cunha Fidié, devido a algumas perdas sofridas por ele nesse embate.

Após a vitória parcial contra os piauienses, João José da Cunha Fidié seguiu para o maranhão e terminou por ser preso por lá em 31 de julho de 1823, ao se render para piauienses e cearenses, enquanto cumpria ordens do Rei de Portugal, Dom João VI, na tentativa de manter o nordeste do Brasil sob o domínio dos lusitanos.

Segundo contam alguns historiadores, depois de regressar a Portugal em 1821, o monarca português, Dom João VI de Portugal, terminou por reconhecer que a Independência do Brasil era impossível de se conter, e então se firmou na ideia de preservar ainda o norte brasileiro [Pará, Maranhão e Piauí] como colônia de Portugal.
Ainda segundo historiadores, Dom João Vi se apegava às grandes riquezas da região em gado bovino, com a possibilidade de cortar o suprimento de carne a outras regiões brasileiras, inclusive para o sul.
Por isso, a "Batalha do Jenipapo" contra os portugueses comandados por João José da Cunha Fidié, terminou por colaborar também com o sepultamento os planos de Dom João VI de Portugal, e manteve intacta a unidade territorial do Brasil.

Fontes consultadas:

  1. legislacao.pi.gov.br/…
  2. pt.wikipedia.org/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datascomemorativas.org/2904

RSS/XML